domingo, 15 de fevereiro de 2009

Zeca Afonso...

Há muitos anos que o meu Domingo esta disponível para os trabalhos de casa!

Antes , quando os meus filhos andavam na escola e por vezes me solicitavam, o Domingo era destinado a esses afazeres escolares!

A família estava tranquila, o Sábado tinha sido animado, quanto basta ou quanto se podia e assim o Domingo era passado a estudar! O Domingo à tarde, porque de manhã, iam para passeios a cavalo com o pai na Quinta dos Leitões, na Ericeira!

Eu, ficava por ali, ia até ao Jogo da Bola, mercado, etc, etc, deambulava como ainda hoje gosto de fazer.

Hoje, de manhã, também deambulei um pouco, mesmo pouco, mas o suficiente para apanhar este sol fantástico e armazenar energias para começar a trabalhar para os meus alunos.

De vez em quando faço paragens, conforme sugiro aos alunos e ...

Penso nestes tempos difíceis que alguns professores estão a passar e recordo as palavras que o dr. Garcia Pereira proferiu na conferência de imprensa, na 6ª feira passada, na qual estive presente!

Sempre, estarei sempre presente, defendendo as minhas ideias e convicções e acima de tudo lutando para que os meus filhos e netos tenham uma escola pública digna e um local de trabalho excelentemente alegre e profícuo!

Entretanto mudei de música, sim , faz-me muito bem ouvir as músicas que há 35 anos se ouviam como forças de união e de despertar para os valores da democracia!

Aqui vos sugiro:

De Zeca Afonso, tem toda a discografia, vídeos, entrevistas, etc…

Para ouvir as canções, seleccione em «Discografia» (coluna do meio) o que pretende ouvir.



José Afonso - Ao Vivo no Coliseu (parte 5/12)
Vampiros

No céu cinzento sob o astro mudo
Batendo as asas Pela noite calada
Vêm em bandos Com pés veludo
Chupar o sangue Fresco da manada

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

A toda a parte Chegam os vampiros
Poisam nos prédios Poisam nas calçadas
Trazem no ventre Despojos antigos
Mas nada os prende Às vidas acabadas

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhes franqueia As portas à chegada
Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

No chão do medo Tombam os vencidos
Ouvem-se os gritos Na noite abafada
Jazem nos fossos Vítimas dum credo
E não se esgota O sangue da manada

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

São os mordomos Do universo todo
Senhores à força Mandadores sem lei
Enchem as tulhas Bebem vinho novo
Dançam a ronda No pinhal do rei

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

Se alguém se engana Com seu ar sisudo
E lhe franqueia As portas à chegada
Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

José (Zeca) Afonso


PARA RECORDAR, PARA DESCOBRIR.


Tenham um bom Domingo!

Sem comentários: