domingo, 10 de agosto de 2008

Perseidas, caindo no céu!

"A ciência será sempre uma busca e jamais uma descoberta.
É uma viagem, nunca uma chegada." - Karl Popper http://vlastudio.com

Lembrei-me que 3ªfeira é dia 12 de Agosto!


É um dia importante cá em casa, para além de fazer anos a Tia L, é um dia, em que todos os anos na Ericeira, fazia com que os meus filhos olhassem o céu e vissem uma "Chuva de Estrelas"!


Deitávamo-nos na areia da praia ou no terraço da casa das arribas e ...bom, havia a mania de pedir um desejo mal se visse cair uma!

Esta mania de olhar o céu já me vinha de Moçambique, lá onde a imensidão é ...bom direi,
maning grande!!!


Mas vamos ao que interessa, no dia 12 de Agosto, segundo o Observatório Astronómico de Lisboa, "a partir das 21h a Constelação de Perseus aparecerá acima do horizonte, a Nordeste, e a Lua Nova surgirá às 00:02, esperando-se uma noite particularmente espectacular para observar o pico das Perseidas.

Se o estado do tempo ajudar, além da chuva de estrelas é possível "observar Marte (mesmo na constelação do Touro) e as constelações de Verão já aparecerão em todo seu esplendor: Escorpião, Sagitário, Cisne, Pégaso, etc.".


Mas já hoje, Domingo, se olharmos o céu, podemos ver cair as "estrelas"!

Mas não são estrelas a cair, são meteoros, são as Perseidas!




vídeo retirado de http://lastfeeling.blogspot.com/

Os meteoros são "pequenos pedaços rochosos, a maioria menor que uma ervilha"provenientes de um cometa, que entram na atmosfera a uma velocidade muito elevada, cerca de 212.400 km/h

No caso das que vemos em Agosto, são as Perseidas, são pequenos pedaços rochosos que provêm do cometa Swift-Tuttle, cuja cauda cruza a órbita da Terra.

Se são pedaços rochosos que caem, como é que parecem estrelas? Ou seja, porque emitem luz?
Não emitem luz, não têm luz própria, eles aparecem luminosos no céu porque o atrito que causam na atmosfera devido à velocidade a que viajam aumenta a sua temperatura até ficarem incandescentes.
Quem está no campo verá melhor esta Chuva de Estrelas, do que quem está nas cidades, como sabem, a luz das cidades projectam a sua luminosidade para o céu não permitindo a escuridão necessária.
Mas mesmo assim, façam esta experiência que o professor Rui Agostinho, astrónomo, sugere:

"o melhor é encontrar um ponto de observação com um horizonte visual desimpedido, que permita ver bem todo o céu, e estar num grupo de amigos. "

"Como ninguém consegue ver todo o céu ao mesmo tempo, podem deitar-se no chão com as cabeças juntas, a formar o centro de uma estrela, e cada um ficar responsável por um gomo do céu, contando quantas estrelas vê em determinado período de tempo na sua área de responsabilidade", para depois de uma hora compararem quantas estrelas viram e saber quantas apareceram", sugeriu.

"Cada um pode ainda fazer um desenho da trajectória das estrelas cadentes que viu e, se juntarem os desenhos, podem ver que a origem delas parece ocorrer num determinado ponto do céu, o chamado 'ponto radiante'", disse.
No caso das Perseidas os meteoros parecem estar a "nascer" na Constelação de Perseus.
Já agora consulta a tabela das "Chuva de Estrelas"

Sem comentários: